Expressões faladas erradas

Atualizado: 20 de Dez de 2020



Você já ouviu o dito popular “O que se fala não se escreve”?

Pois é, essa é a mais pura verdade.


A oralidade é descontraída, informal, mas o que é realmente importante é que as pessoas se comuniquem bem no dia a dia.


No entanto, se não tomarmos cuidado, essa informalidade toda acaba interferindo em nossa escrita, principalmente quando precisamos ser avaliados em concursos e vestibulares.


Para ajudar, darei alguns exemplos para você.


Lembra-se desta poesia aprendida na infância?


“Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão”, é triste descobrir que a primeira poesia que se aprende já está errada, pois o correto é “Batatinha quando nasce, espalha rama pelo chão”.


Já ouviu alguém dizer “Aquela mulher cozinha mal e porcamente”, “A menina escreve mal e porcamente”?


O que o porco tem a ver com nossas deficiências?


Nada, pois o correto é dizer “mal e parcamente”, já que parco significa escasso, mas, como a maioria das pessoas não sabe o que quer dizer  e  ouve o errado, continua a falar desse jeito.


Já ouviu também o ditado “Quem não tem cão caça com gato”?


Pois é, ele está errado, uma vez que o certo é “Quem não tem cão caça como gato”, isto é, sozinho.


Outro erro gerado pelo desconhecimento e pela influência da oralidade está na frase “Você é seu pai cuspido e escarrado”.


Preste atenção, pois como uma pessoa pode ser cuspida e escarrada por parecer com outra?


O certo vem de longa data e é “Você é tão parecido com seu pai que parece ter sido esculpido em Carrara”, fazendo referência ao mármore de Carrara usado para fazer esculturas.


Por último, um exemplo clássico de como a oralidade interfere até na criação de alguns nomes.


Eu tive uma professora na Universidade de Brasília (UnB) que escreveu um livro sobre o falar do carioca e descobriu por que razão aqueles guindastes enormes nos portos e que servem para levar containers aos navios são chamados de “camundongo” pelos estivadores.


Acontece que os primeiros guindastes foram trazidos ao Brasil pelos ingleses, que também vieram ensinar os brasileiros a dirigir as máquinas e manuseá-las adequadamente.


Então, falavam “come on” (que significa venha em inglês), a seguir diziam “dowm” (que significa descer)” e logo depois “go” (que significa ir adiante) e diziam isso tantas vezes que como os estivadores ouviam, mas não sabiam o inglês, entendiam “camundongo”, de onde se derivou o apelido dos guindastes  que passaram a ser chamados de “camundongos”.


Viram como estamos o tempo todo usando o que ouvimos?


Cuidado para não escrever essas e outras expressões em seus textos.


Até a próxima.